Amigo do Rei, culinária persa em um restaurante secreto de São Paulo

http://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpghttp://descubrasp.com.br/wp-content/uploads/2017/09/IMG_20170817_204653329_1200.jpgAmigo do Rei, culinária persa em um restaurante secreto de São Paulo

São Paulo é uma cidade em que empreendimentos gigantescos convivem com lugares quase secretos, como o Amigo do Rei. Um dos poucos lugares em que podemos experimentar a autêntica culinária persa, o Amigo do Rei é quase secreto em São Paulo, mas já teve outras passagens em Parati e Belo Horizonte.

Comandado pela Cadbanou Nasrin Haddad Battaglia (Cadbanou é o termo farsi equivalente à chef) e por Cláudio Battaglia, o Amigo do Rei recebe seus clientes na residência do casal. Todos sentam-se em uma mesa compartilhada para até oito pessoas, em um sobrado próximo do metrô Praça da Árvore.

Como outros estabelecimentos que operam dessa forma, ao passar pela rua quase não se percebe o que acontece lá dentro. Mas vale a pena passar pela porta e conhecer essas duas pessoas fantásticas, sua história e suas criações culinárias.


De forma bem resumida, já que mais detalhes você pode (e deve!) procurar indo até o Amigo do Rei, o restaurante começou em Parati (RJ), onde funcionou entre 1998 e 2002. Nesse ano se mudou para Belo Horizonte e lá permaneceu em operação até 2011. Foi somente em São Paulo que Nasrin e Cláudio optaram por continuar servindo em sua própria casa, além de oferecer o serviço de “jantares em domicílio”.

O formato é simples, com um menu fechado composto por entrada, prato principal e sobremesa. Somente o prato principal pode ser escolhido, entre duas opções. Mensalmente o cardápio é renovado, com exceção da sobremesa (Ranghinak) e de um dos pratos principais (Fessenjam).

Enfim, o jantar do Amigo do Rei!

Em nossa visita pudemos experimentar de entrada o Óche Kalam, uma sopa típica da província de Pashand, em que vão leguminosas e grãos, temperados com açafrão e outras especiarias, como o Kashq, um tempero milenar que é usado até hoje no Irã. Aliás, sobre o Irã a Nasrin tem muito o que contar, já que nasceu e morou lá até escolher o Brasil para se estabelecer.


Hora de experimentar os pratos principais. O Fessenjam, que está sempre no cardápio, é composto por bolinhas de carne servidas com um molho de romã e nozes. Romã e nozes. Vou repetir mais uma vez, romã e nozes. Servido com arroz branco e açafrão, é um deleite.

Casal que somos, dispostos a experimentar de tudo, pedimos também o Qormeh Sabzi, pedaços de pernil de cordeiro preparados com feijão e Shambaliléh (uma erva típica da culinária iraniana) e servidos com arroz de açafrão e limú amani, um limão seco importado diretamente do Irã e que até mesmo no Amigo do Rei não é sempre que aparece! Que felicidade!

Essas especiarias e temperos, além dos ingredientes típicos, são únicos. Não espere semelhanças com culinária árabe, estamos falando de outras origens, outros sabores.

Comemos bem devagar, para aproveitar cada pedaço, cada instante. Junto foi um copo de Sekanjebim, uma bebida doce, lembrando algo de anis, servida com pepino em cubinhos.

Para terminar…

Hora da sobremesa, Ranghinack. A Cadbanou trouxe com uma indicação, deixar os sabores preencherem a boca, mesmo se no início sentirmos amarrar um pouco. Até agora ainda consigo sentir esse momento. O Ranghinack é composto por uma tâmara seca recheada com nozes, mergulhada em uma pasta de pistache e nozes, coberta com farinha de pistache, canela e açúcar. Queria eu estar mergulhado nessa pasta…


A receita da sobremesa é da região de Pasárgada, que dá também uma dica do nome do restaurante. Pasárgada fica no Irã e foi nessa cidade que o fundador do Império Persa mandou construir o primeiro palácio do governo, imortalizada por Manoel Bandeira:

“Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou Amigo do Rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada”

A experiência de ir no Amigo do Rei transpassa os requintes do que é servido. Tudo contribui para termos momentos únicos por lá. A companhia de Nasrin e Cláudio contando suas histórias, o ambiente informal que faz com que a gente se sinta melhores amigos dos anfitriões, os perfumes que saem da cozinha. Vale uma visita por mês!

O menu completo custa R$ 93 por pessoa e atendem somente através de reserva, de quarta à sábado para o jantar e no domingo para o almoço. Não servem bebidas alcoólica mas aceitam que leve vinho sem cobrança de rolha.

DICA DE MOBILIDADE: Descendo no metrô Praça da Árvore, você chega no Amigo do Rei depois de uma caminhada de apenas 15 minutos.

SERVIÇO:

Amigo do Rei
Rua das Orquídeas, 612, Mirandópolis – São Paulo/SP
De quarta à sábado, às 20h
Domingo, às 13h
Reservas pelo WhatsApp: (011) 98194 8190

Espalhe a notícia!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInShare on Google+Buffer this pageEmail this to someone

Comments

comments

Author Description

Tiago Barizon

Tiago Barizon é produtor executivo e artístico, por profissão, com mais de 15 anos de experiência no mercado cultural e corporativo. Também é redator, cozinheiro e músico, por opção, já faz vinte anos. Iniciou o DescubraSP para compartilhar o resultado de suas andanças por São Paulo.